sábado, 23 de junho de 2018

Diogo Oliveira é a nova voz do sertaneja paraense


Diogo Oliveira faz sucesso nas rádios de Belém e de outros Estado do país, com seu novo Hit intitulado de “SolidEi”, levando para seu público todo o estilo sertanejo de ser. Mas todo esse talento começou desde muito jovem, quando ouvia através de seu pai, natural de Minas Gerais, canções de grandes nomes do sertanejo raiz, que ele faz questão de selecionar em seu repertório musical.
O artista faz questão de relembrar como surgiu a paixão pela música. “A influência da música sertaneja que vem de minha família paterna e desde a infância tive preferência por brinquedos que estimulavam a percepção musical, como violão, sanfona, flauta, karaokê, brincando de fazer shows, além de adorar cds de duplas sertanejas, até mesmo como presente de aniversário. Creio que essa foi a base para a construção deste sonho”, declara.
Aos 22 anos, Diogo Oliveira decidiu seguir carreira na musica, mas ao longo de sua trajetória escreveu cerca de 30 musicas autorais e 6 delas fazem parte do seu primeiro EP, que foi gravado na capital paraense e está disponível em diversas plataformas de streaming como Spotify, Deezer,  iTunes, Google Play, Sua Música, dentre outras.  “Algumas composições são inspiradas em histórias reais, vividas ou ouvidas. Outras são mais subjetivas, às vezes a inspiração vem sem previsão, como em uma determinada ocasião em que eu estava na urgência médica e compus a música 60 minutos”, destaca Diogo.
O artista realiza shows em todo Estado do Pará e também em outros lugares do Brasil, oferecendo aos seus fãs um repertório variado e atualizado com ritmos que vai do sertenajo ao forró, animando o público por onde passa.


Com informações da Assessoria

Todo romantismo da voz potente da cantora Monique Moral


A cantora Monique Moral começou a cantar ainda muito jovem. Aos 8 anos de idade, começou a fazer parte do Coral da igreja de sua cidade natal, logo depois, se tornou solista. Mas somente aos 17 anos, se firmou como cantora profissional e buscou boas referências na música para compor seu repertório como Alcione, Ivete Sangalo e Zé Ramalho. Monique relembra como surgiu a paixão pela música. “Nem percebi, sempre amei música e todos os caminhos me levaram a ela. Música para mim é essencial”.
Ao longo de sua carreira apostou em vários ritmos, como o MPB no qual se dedicou por um longo período, mas foi no forró e no sertanejo que a cantora se encontrou. Monique ganhou destaque em festivais de músicas como o Festival da Canção Ouremense, nos qual foi vencedora pelo reconhecimento do público.
Monique passou por várias bandas, sendo interprete de várias canções e levando seu estilo próprio a todas elas: Banda Chamas do Kalipso, Banda Gata Selvagem, onde ficou conhecida em todo Estado e fora dele, Banda Deuza de Baton, Jakson, Floresta Nativa, e outras. No decorrer dos anos, recebeu o convite para ser a cantora principal da Banda Bahia Brasil, onde se consagrou de vez no cenário musical do nosso Estado, por último passou pela Banda Forro Nu Balde.
Em seu repertório artista apresenta vários sucessos da música nacional, além de levar toda sua simpatia e talento ao palco para conquistar o público. Entre as músicas selecionadas, grandes nomes do cenário musical brasileiro, que serão interpretadas por ela no show: Simone e Simaria, Maiara e Maraisa, Luan Santana e Wesley Safadão.
Atualmente Monique Moral percorre por toda a região do Pará com sua autenticidade. Em seus shows conta com uma equipe de 11 pessoas, entre produtores e músicos, que tem a responsabilidade levar alegria para o público que acompanha seu trabalho. A cantora revela o que deseja futuramente. “Espero que a galera goste do meu jeito de fazer música, e alcançar lugares que nunca fui, pois seria hipocrisia minha, se falasse que não queria isso. Mas o que eu mais quero mesmo e ter muitos Shows e levar um pouco de alegria para um povo que tanto precisa”.

Serviço:
Show de Monique Moral

Informações: (91) 98364-7803

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Sinistro: homem quase morre depois de levar picada de cascavel decapitada. VEJA COMO ISSO FOI POSSÍVEL



Se você achava que bastava cortar a cabeça de uma cobra fora para se livrar do perigo, saiba que esses animais podem continuar sendo letais mesmo depois de sofrerem decapitações!



Não acredita? Então, deixe a gente contar sobre um caso que foi registrado recentemente na cidade de Corpus Christi, no Texas, EUA.



Por pouco!


O casal Jeremy e Jennifer Sutcliffe decidiu aproveitar um dia tranquilo para dar um trato no jardim, quando, de repente, a mulher descobriu que havia uma cascavel sorrateira escondida entre alguns arbustos.



Assustada, ela chamou o marido que, valente e ligeiro, resolveu pegar uma pá e cortar a cabeça da cobra fora.








Até aí tudo certo, já que Jeremy deu um jeito na cobra, salvou a esposa de uma possível picada e ficou bem na fita. No entanto, quando o homem foi recolher os pedaços da cascavel — que ele achava estar mortinha, visto que o golpe da pá separou a cabeça da bicha do restante do corpo por completo —, a cobra tascou em sua mão uma bela de uma picada.



Para você ter uma noção da gravidade da situação, Jennifer levou o marido imediatamente ao hospital que fica a pouco mais de três quilômetros da casa do casal.



Entretanto, no caminho, Jeremy começou a convulsionar, a perder a visão e os sentidos. Uma vez na emergência, os médicos descobriram que a cascavel tinha injetado tanto veneno com a picada, que o homem teve que ser colocado em coma induzido e conectado a um aparelho que o ajudasse a respirar.



No fim, os médicos só conseguiram estabilizar o quadro de Jeremy depois de dar a ele nada menos do que 26 — sim, caro leitor, vinte e seis — doses de soro antiofídico.


Só a título de curiosidade, o mais normal é que a quantidade não passe de quatro! Aliás, enquanto o time trabalhava para salvar a vida de Jeremy, ele começou a ter hemorragia interna, seus órgãos começaram a falhar e seu organismo estava entrando em choque. Ou seja, foi por pouco!



A cobra que picou Jeremy foi identificada como sendo uma cascavel-diamante-ocidental — Crotalus atrox —, cujo veneno pode provocar a coagulação do sangue, e a formação de coágulos podem causar o colapso dos rins.



Ademais, as toxinas podem levar à ruptura das membranas que envolvem as hemácias e, com isso, a hemorragias internas, além de causar a necrose de tecidos, lesões nos músculos e feridas no local da picada. Resumindo: tenso!



Normalmente, as picadas podem ser tratadas com o uso do soro e, quando não ocorre a aplicação do medicamento, o risco de morte é de 10 a 20%.



No caso de Jeremy, o encontro com a cascavel foi especialmente violento e, apesar de ninguém saber ao certo o que aconteceu, os especialistas suspeitam que a cabeça acabou injetando uma quantidade de veneno maior do que o habitual. Falando em cabeça... Como é que uma cobra decapitada foi capaz de fazer tamanho estrago?


De acordo com os especialistas, as cobras, como todo mundo sabe, são animais de “sangue frio” e, portanto, obtêm calor a partir do ambiente, através da exposição à luz solar ou a superfícies quentes.



Por outro lado, os organismos de sangue quente — como é o caso dos mamíferos, por exemplo — requerem uma grande quantidade de energia e oxigênio para gerar calor.



omo as cobras não precisam regular a temperatura corporal, elas não têm que ficar “queimando” energia e oxigênio para manter o organismo em funcionamento.



Portanto, se o suprimento de sangue for cortado — como seria o caso de uma decapitação —, esses animais não morrem imediatamente e podem levar de vários minutos a algumas horas até finalmente bater as botas.



Já as criaturas de sangue quente, como precisam de oxigênio para manter o cérebro funcional, quando o fluxo sanguíneo até o órgão é cortado, os animais morrem em seguida. Sendo assim, já sabe, né? Se você encontrar a cabeça de uma cobra por aí, o melhor é conter a curiosidade e não tocar no bicho! 



Mega Curioso 

Infidelidade: conheça o colchão capaz de detectar traições. VEJA VÍDEO






É cada vez mais comum escândalos envolvendo traições entre casais. Uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP) mostrou que é alto o número de pessoas que já traíram.



Entre os homens, o percentual daqueles que dizem já ter traído ao menos uma vez na vida chega a 70,6%; entre as mulheres, o número é de 56,4%. Por isso, o mercado tem corrido atrás de tecnologias e inovações que possam "ajudar" na tarefa de controlar e vigiar possíveis suspeitos ou infiéis.



Na Espanha, por exemplo, o Smarttress é a novidade da empresa Durmet, que se dedica a fabricar colchões contra as infidelidades amorosas.



O colchão inteligente recentemente apresentado em Madrid é considerado uma revolução para os relacionamentos. Aparentemente normal, ele esconde uma tecnologia surpreendente no seu interior: o sistema de detecção de amante.



O colchão que detecta infidelidades possui 24 sensores ultrassônicos que detectam o movimento habitual do casal na cama. Mas ao notar uma atividade suspeita ou movimento de uma pessoa diferente na cama, sistemas de comunicação enviam informações para o smartphone vinculado ao produto.



Segundo a empresa é o “primeiro colchão que faz com que seu corpo relaxar à noite e sua mente, quando você não está em casa, relaxar de dia”. De acordo com informações da fabricante, os espanhóis fazem parte das pessoas que mais traem na Europa – média de 2,3 traições por ano.







Porém, a empresa se diz totalmente discreta, tanto que cada colchão só está vinculado a um celular. Além disso, preserva completamente a identidade do cliente que decidir realizar a compra.



Terra

Mulher é presa por transportar netos em caixas para cães. VEJA VIDEO



Uma mulher de 62 anos foi flagrada em Memphis (Tennessee, EUA), levando, na parte traseira de um carro, os netos acomodados em caixas de transporte para cães.


Leimome Cheeks foi presa no domingo (10/6) e indiciada, segundo a emissora WREG, por colocar em risco a vida das crianças, de 7 e 8 anos.


A americana disse ter adotado as caixas porque não havia espaço para os netos na parte da frente do veículo SUV. Leimome acrescentou que fazia paradas regulares durante o trajeto de 40 minutos para se certificar do estado das crianças.




Fotos registrando a cena bizarra viralizaram no Facebook e chegaram à polícia local. Skylark Blake, vizinha de Leimome, disse que a idosa é uma "boa senhora" e que não "consegue vê-la fazendo aquilo".



No momento do flagrante, a temperatura era de 35 graus.



Assista abaixo:








Extra