Pele negra: dermatologista dá sete dicas de cuidados


A pele negra é cheia de particularidades, mas tratá-la não tem mistério: são necessários alguns bons hábitos diários e, se possível, uma dose de tecnologia. Vários lasers disponíveis no mercado ajudam a ter um viço invejável. A dermatologista Katleen Conceição dá sete dicas para seguir já!
1. Ressecada, jamais
A pele negra do corpo costuma ser mais seca do que em outras etnias. Por isso, recomenda-se uma hidratação diária caprichada. Dê preferência a cremes à base de óleos — existem diversas texturas no mercado. E mais: use, debaixo do chuveiro, produtos in shower, para turbinar a potência dos hidratantes pós-banho.
2. Óleo sob controle
O corpo é seco, mas o rosto... geralmente oleoso! A pele negra da face, principalmente em mulheres, costuma ter glândulas sebáceas bastante ativas, o que pode gerar cravos, espinhas e tons irregulares. Para uniformizar a textura, o laser fracionado é uma boa opção.
3. Capriche no filtro
Engana-se quem pensa que a pele negra não precisa de proteção solar. A grande quantidade de melanina gera uma tendência maior a manchas, e a prevenção está em produtos com filtro de, no mínimo, FPS 30, que devem ser usados diariamente, em todas as estações do ano. Ah, a reaplicação deve ser feita a cada três horas.
4. Xô, bolinhas
Pelos encravados são comuns na pele negra, a tal da foliculite. Para evitá-la, esfoliação semanal é uma boa pedida. Em casos complicados, a depilação a laser resolve o problema. Procure um médico para fazê-la e não ganhar manchas.
5. Firmeza pura
Sorte do dia: a flacidez na pele negra costuma aparecer mais tarde, por volta dos 40 anos. Se ela já deu as caras, o ultrassom microfocado é excelente para manter tudo no lugar.
6. Olhar renovado
Sofre com olheiras? O dermatologista pode ajudar a atacar o problema com fórmulas ricas em vitamina C e complexos despigmentantes. Se o tratamento tópico não for suficiente, laser Nd Yag nelas!
7. Forte e vitaminada
O alto nível de melanina faz com que a absorção dos raios solares seja menor, o que interfere na sintetização da vitamina D. O resultado? Unhas fracas e quebradiças. Base com formol e reposição da vitamina ajudam a amenizar o problema.

Talita Duvanel, da Agência O Globo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabia que a mulher mais alta do Brasil é paraense? Conheça

Belém ganha nova Agência de Namoro e Matrimônio

Após injetar cimento, transexual recupera feições com procedimento