Em Gana, mulheres são pagas para chorar em velórios de desconhecidos




Você já ouviu falar nas carpideiras? Elas são as mulheres pagas para chorar em funerais de desconhecidos.



A função remunerada já existe há mais de 2 mil anos e, diz a lenda, que essa é uma forma de facilitar a entrada no céu.



No Brasil, a prática foi trazida pelos colonizadores portugueses, mas a profissão não engrenou.




Já que muitas iam gratuitamente chorar em velórios de pessoas que elas não conheciam – na série “Pé na Cova”, da Rede Globo, a atriz Eliana Rocha interpretou uma dessas mulheres.





Gana, na costa da África, por outro lado, também foi colonizada por portugueses que levaram o costume ao país – posteriormente.



A Inglaterra acabou conquistando as colônias, tanto que o inglês é o idioma oficial de lá.



As carpideiras formam associações de choro, que cobram pela quantidade de mulheres e pela importância do falecido.





As carpideiras levam a função a sério



O choro em funerais costuma ser associado ao lamento da perda e à saudade que a pessoa deixará, porém, às vezes o luto e o choque impedem que os familiares demonstrem na hora do velório todo o seu apreço ao defunto através das lágrimas – e é aí que entram em ação as profissionais do choro!



O motivo para contratar carpideiras é o fato de que o funeral em Gana costuma ser visto como um grande evento.



Tipo um casamento ou um batizado. As pessoas investem em caixões e até em danças ritualísticas que deixam tudo parecido com uma grande festa – triste, é claro, mas ainda uma festa.



Por isso, os participantes do funeral costumam ajudar os familiares enlutados com alguma contribuição financeira para uma preparação digna para o defunto.



Assim, quanto mais as carpideiras gritam e choram, mais elas compadecem os presentes e os incitam a contribuir com mais grana. Curioso, né? 



Mega Curioso
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabia que a mulher mais alta do Brasil é paraense? Conheça

Belém ganha nova Agência de Namoro e Matrimônio

Após injetar cimento, transexual recupera feições com procedimento