DESTAQUES

sábado, 18 de agosto de 2018

Alunas denunciam assédio sofridos em rede de ensino

Assunto já é um dos mais comentados do Twitter. Colégio diz que vai apurar as denúncias


Alunas colaram cartaz em uma unidade da escola
(Foto: Reprodução/Internet)
Um grupo de estudantes e ex-alunas da rede de escolas Pensi usaram as redes sociais, nesta sexta-feira, para relatar supostos assédios que teriam sido cometidos por alguns professores da instituição. O assunto, que ganhou a hashtag #AssédioÉHábitoNoPensi, já é um dos mais comentados no Twitter. Até as 19h, o tema já tinha mais de 45 mil tweets. O colégio, que tem unidades nas zonas Norte, Sul e Oeste do Rio, além das regiões Metropolitana e Serrana do estado, criou um Comitê de Ética para apurar os fatos.
Ao DIA, uma ex-funcionária, que não quis ser identificada, conta que já foi assediada por um professor no período em que trabalhou em uma filial da escola.
"Acontece há muito tempo e não só com alunas do Ensino Médio; eles assediam até alunas do Ensino Fundamental. E esses mesmos professores assediam professoras", revela.
"Eles acham graça e comentam entre si", completa. Ela diz que nunca denunciou por medo e acredita que as estudantes também não fizeram antes por causa da relação de poder existente entre professores e estudantes. "Até já soube de quem denunciou, mas a escola abafou."
A estudante de História Anne Consentino, de 18 anos, formou-se em 2017 no Pensi, na unidade de Madureira, na Zona Norte. Segundo um post da jovem no Twitter, ao escrever uma denúncia para a coordenadora do colégio, a educadora falou "isso é uma coisa muito séria pra você sair inventando por aí". Ao DIA, a ex-aluna explicou que um professor foi acusado de assediar uma de suas amigas.
"Ele mandou mensagem comentando um vídeo dela dançando, postado nas redes sociais. Disse que viu o vídeo umas 70 vezes e que queria que ela estivesse lá. Ela era menor de idade", conta.
A jovem também fala que o mesmo docente fazia piadas na sala de aula com meninas e que teria sido visto em um motel com uma aluna. "Fiquei surpresa quando a hashtag repercutiu. Sempre foi um assunto escondido no Pensi, nenhuma mobilização tinha sido feita até agora."
Os relatos de assédio teriam sido incentivados por uma professora da instituição. Segundo os alunos, a educadora teria sido afastada por causa das denúncias. "Ela nos incentivava a denunciar casos de assédio, tinha uma postura muito defensiva, oferecia suporte a quem a procurava", defende Anne. 
Procurada pelo DIA, a escola nega o afastamento da docente. "A professora continua na equipe do Colégio Pensi. Por motivos de saúde ela entrou em acordo com a direção e está afastada de sala de aula, mas continua trabalhando, fazendo parte da equipe, no setor administrativo, na unidade Madureira", afirma a instituição. O DIA tentou contato com a professora, que não quis comentar o caso.
(Com informações de O Dia)

Nenhum comentário: