Óleo de coco não é veneno, como diz pesquisadora dos EUA, nem panaceia

Produto não tem benefícios comprovados e pode ser prejudicial se for consumido em excesso.

(Foto: Reprodução)

A americana Karin Michels, professora da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, está chamando a atenção da mídia do país com um vídeo que viralizou nesta quarta-feira (22), em que diz que o óleo de coco não é saudável. Mais do que isso, a pesquisadora chega a chamá-lo de “veneno”, pelo menos três vezes, durante uma palesta.

Em sua apresentação, intitulada “Óleo de coco e outros erros nutricionais”, ela afirma que este é um dos piores alimentos que uma pessoa pode ingerir e que seus supostos benefícios não passam de crendice popular, pois têm embasamento científico algum.
Embora o óleo de coco tenha se tornado a última moda entre celebridades e influenciadores digitais de estilo de vida saudável, estudos da American Heart Association (Associação Americana do Coração) mostraram que mais de 80% da gordura do óleo de coco é saturada – muito mais que na manteiga (63%), gordura bovina (50%) e banha de porco (39%).

A AHA aconselha contra o uso de óleo de coco e também recomenda que as pessoas não consumam mais do que seis por cento de gordura saturada como parte do total de calorias diárias. Principalmente, aqueles que precisam baixar o colesterol.
Segundo a organização, o óleo não tem efeitos favoráveis ​​compensatórios e pode potencialmente se tornar a causa de uma doença cardiovascular.
Por: IstoÉ
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabia que a mulher mais alta do Brasil é paraense? Conheça

Belém ganha nova Agência de Namoro e Matrimônio

Após injetar cimento, transexual recupera feições com procedimento