Fatos & Curiosidades: A sonda Rosetta e sua viagem espacial.

O que é a Missão Rosetta ?

(Foto: Reprodução)

Missão Rosetta é um programa de pesquisa da Agência Espacial Europeia. Ela foi iniciada em novembro de 1993. O envio da sonda Philae até o cometa 67P é parte da Missão Rosetta.
A viagem da Rosetta começou em março de 2004.

Decolou da Terra lançada por um foguete Ariane 5, depois de duas tentativas fracassadas e um adiamento. A Rosetta levava consigo um robô pousador chamado Philae. O objetivo da missão era alcançar a órbita do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko para estudar sua composição. A viagem da nave até o cometa não foi direta porque não existe um foguete com tal potência. Por isso, foi tomando impulso gravitacional ao se aproximar de alguns planetas, como a Terra e Marte. A Rosetta teve que hibernar durante 31 meses porque viajava tão longe do Sol que não recebia suficiente radiação que a suprisse de energia.

O estudo dos cometas é fundamental para o entendimento de como a vida apareceu na Terra, porque são elementos fundadores do sistema solar. Ainda mantêm muitos dos componentes que estavam presentes na Terra na altura em que foi formada, e podem explicar o que levou ao aparecimento da vida no planeta.

Desde que foi lançada na época a  Rosetta resistiu 12 anos no espaço. Não foi construída para sobreviver a esta próxima etapa. Armelle Hubault explica que “a estrutura de um satélite é muito, muito leve e frágil. A Rosetta não foi de todo concebida para aguentar gravidade. É um satélite que orbita em torno de um cometa, é um corpo muito delicado. Vai acabar por esmagar-se no impacto.

Veja a foto da Terra tirada pelo Rosetta enquanto usava a gravidade para ganhar velocidade.

(Foto: Reprodução)

Que bela imagem!

E agora vamos descobrir 
O que é o 67P/Churyumov-Gerasimenko?

Ele é um cometa. Foi descoberto em 1969 por astrônomos soviéticos – Klim Churyumov e Svetlana Gerasimenko. O 67P foi batizado em homenagem a eles.

(Foto: Reprodução)

A imagem é na verdade uma das primeiras fotos tiradas do cometa. A região foi fotografada em 22 de setembro de 2014, apenas um mês e meio depois que a sonda da Agência Espacial Européia começou a orbitar o cometa. A imagem foi selecionada e processada pelo cientista Jacint Roger Perez, da Espanha, usando três imagens da câmera OSIRIS da espaçonave.

(Foto: Reprodução)

O fundo da imagem mostra as regiões de Babi e Aker e logo abaixo, o penhasco de Aswan, um precipício de 134 metros de altura que separa as regiões de Seth e Hapi. Uma observação subsequente em agosto de 2015 revelou que parte do penhasco havia desmoronado quando o cometa se aproximava do seu periélio, o ponto em sua órbita de seis anos, onde ele está mais próximo do Sol. Durante esse tempo, a atividade na superfície do cometa aumenta, o que pode alterar significativamente o terreno.

Apesar da visão de perto da imagem, Rosetta estava a aproximadamente 28,2 quilômetros da superfície quando a foto foi tirada. Naquela altitude, Rosetta foi capaz de fazer a imagem e estudar o cometa com detalhes extraordinários. Os 11 instrumentos científicos que compõem o seu arsenal foram usados para escanear a superfície do cometa, fazer uma sonda debaixo dela e estudar a poeira, gás e plasma que a cercam.

Em 30 de setembro de 2016, a Rosetta concluiu sua missão em pouso forçado no Cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (Abreviado para 67P). A sonda estudou o cometa por mais de dois anos, até os seus momentos finais.

‘Rosetta’ cumpre seu destino e morre em seu cometa.

Termino aqui e deixo vocês com essa imagem do lançamento da Rosetta e que em futuro não tão distante,todos possamos compreender melhor o espaço e tudo que há nele e quem sabe fazer uma viagem espacial de ida e volta claro.

(Foto: Reprodução)

Até logo e fiquem todos ligados aqui no fatos e curiosidades.

Amor, Gratidão e fé.






Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabia que a mulher mais alta do Brasil é paraense? Conheça

Belém ganha nova Agência de Namoro e Matrimônio

Após injetar cimento, transexual recupera feições com procedimento