Ácido hialurônico: conheça a substância que trata rugas e acne

Foto: Hanghoavacongluan

Substância naturalmente presente no corpo humano, o ácido hialurônico é uma molécula com função lubrificante, que auxilia na absorção de choques em partes móveis do corpo. Mais da metade da concentração orgânica do ácido está presente na pele, atuando com uma função de hidratação, de manutenção da elasticidade e de preenchimento da pele, mantendo-a com o aspecto saudável. Atualmente, ele tem sido utilizado para tratamentos estéticos em forma de cremes e géis, ingeridos em forma de capsulas ou até aplicados por via subcutânea. Ele é eficiente no tratamento contra acne, para renovação celular e também para atenuar os sinais da idade.
Ação na pele
Com o avanço da idade, a concentração de ácido hialurônico é reduzida, implicado no aparecimento rugas e até mesmo de ressecamento na pele. Segundo a American Society Of Plastic Surgeons (Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos), com o aumento da procura por tratamentos à base desse ácido, os produtos que contém o ativo já estão em segundo lugar na busca por cosméticos para preenchimento na dérmico, atrás apenas da toxina botulínica, também conhecido como botox. Ele é foco de diversas e crescentes pesquisas para o tratamento dérmico, já que é amplamente buscado para corrigir as marcas da idade, como rugas e flacidez. A aplicação pode ser mais comum e eficiente nos contornos da face, bem como na região dos lábios, olheiras, mandíbula e até mesmo nas laterais do rosto. Além da face, o ácido também pode ser utilizado em diversas regiões do corpo.
Cuidados
Para tornar a aplicação segura e ter os efeitos colaterais reduzidos, é importante entender a compatibilidade biológica do ácido com a pele, o risco de alergia, o tempo de reabsorção e ainda levar em conta a forma de obtenção do ácido, para que seja compatível com os recursos de quem o for utilizar.
Contraindicação
A aplicação de ácido hialurônico é contraindicada a pessoas que tem algum tipo de hipersensibilidade dérmica, ou relacionada ao composto. Além disso, a aplicação é contraindicada para pessoas que tenham algum tipo de problema de coagulação. A injeção subcutânea não é aconselhada em locais que tenham aplicações plásticas permanentes. Para evitar riscos, é indicado que não se aplique este composto em locais com doença de pele ativa, ou com inflamação e feridas. Mesmo sendo proibido para mulheres que estejam no primeiro trimestre de gravidez, a utilização de produtos com esta substância por parte das grávidas não é proibida ao longo do resto da gestação. Mesmo sem contraindicações após o terceiro mês, por se tratar de um tratamento estético, é importante ouvir a opinião de um obstetra ou ginecologista, para saber o real risco no caso da gestante em específico.

Fonte: Ativo Saúde

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabia que a mulher mais alta do Brasil é paraense? Conheça

Belém ganha nova Agência de Namoro e Matrimônio

Após injetar cimento, transexual recupera feições com procedimento