Reconhecimento do Carimbó como Patrimônio Cultural Brasileiro completa 4 anos






Seu colorido, expressão e movimento são convidativos, e onde toca ninguém fica parado. O carimbó, um dos principais cartões de visita do estado do Pará para o mundo, comemora neste setembro quatro anos de reconhecimento como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o IPHAN.

De origem indígena com influencia negra e portuguesa, originou-se em meados do século XVII pelos índios tupinambás, e mais tarde propagados pelos mestres, como Augusto Rodrigues, conhecido como Verequete. Por anos, sofreu repressão, inclusive sendo proibido em Belém e criminalizado pelo governo de 1880, sob pena de multa de 30.000 réis (moeda da época), caso o batuque perturbasse o sossego dos moradores da capital.

Não se sabe ao certo onde surgiu efetivamente o movimento, o que se sabe que um dos berços é o nordeste paraense, principalmente a região do salgado, e o arquipélago do Marajó. Nos municípios de Marapanim, Santarém Novo e Curuçá encontram-se os principais músicos, conhecidos como mestres. Marapanim, em especial, o gênero é bastante cultivado, acontecendo anualmente “O Festival de Carimbó”.

Muitas pessoas têm a inquietação sobre o nome do ritmo. Estudiosos afirmam que carimbó deriva do instrumento de percussão indígena chamado de curimbó, que na língua Tupi quer dizer pau oco. O curimbó é feito de um tronco de árvore escavada e possui uma das extremidades coberta por couro de boi, veado ou outro animal.

Carimbó do Meu Brasil

Este mês, uma programação alusiva aos quatro anos do carimbó percorre algumas cidades brasileiras, incluindo as cidades paraenses de Marapanim, Santarém e Belém, consideradas o berço do ritmo no estado. Intitulado “Carimbó do Meu Brasil” o projeto tem por objetivo comemorar e dar visibilidade a manifestação artística do Pará, buscando valorização aos grupos e mestres tradicionais que foram os protagonistas da histórica conquista, bem como proporcionar o acesso da população a este precioso patrimônio cultural paraense e brasileiro.


Apresentação do carimbó para turistas


Texto: Silvano Viana
Fotos: Divulgação 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabia que a mulher mais alta do Brasil é paraense? Conheça

Belém ganha nova Agência de Namoro e Matrimônio

Após injetar cimento, transexual recupera feições com procedimento