DESTAQUES

domingo, 28 de julho de 2019

Brasil perde a atriz Ruth de Souza


Ruth de Souza, considerada uma das grandes damas do teatro brasileiro, morreu hoje no Rio de Janeiro. A atriz de 98 anos estava internada no hospital Copa D'Or, em Copacabana, na Zona Sul.

Com mais de 60 anos de carreira na televisão, ela foi a primeira atriz negra a protagonizar uma telenovela: A Cabana do Pai Tomás (1969), na Globo. Entre seus outros trabalhos na TV estão O Rebu (1974), Sinhá Moça (1986), Mandala (1987), O Clone (2001), Senhora do Destino (2004). O seu último trabalho foi na minissérie Se Eu Fechasse os Olhos Agora, também da Globo, em 2019.

Fonte: brazilianwavecanada

sábado, 27 de julho de 2019

Banda Axé e Cia agita São Caetano de Odivelas neste sábado, 27



Os amantes do pagode e do axé têm um encontro marcado com a Banda Axé e Cia no município de São Caetano de Odivelas, nordeste paraense, neste sábado (27). Com um estilo irreverente e um repertório de sucessos o grupo marca seu retorno aos palcos como uma das atrações da programação de verão na cidade.

Criado em 2012 por um grupo de amigos a banda se reformulou e depois de uma pausa de 4 anos retorna com uma proposta de mostrar toda a cultura e energia do Pará também no ritmo do pagode e do axé. A banda é composta por Leandro Lima, Davi Pinheiro, Leandro Rêgo, Ferdinando e Vitor. No repertório a banda trás os sucessos “Receba amor” e “Quebra mãe”, presentes no primeiro CD da nova fase do grupo intitulado “Pancadão do Axé e Cia”. 

“A Banda surgiu com uma proposta de ser um grupo que levasse o Pará para um estilo novo e cada vez mais forte que é o axé e o pagode”, diz o vocalista Leandro Lima. O estilo musical que já lançou artistas como Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Cláudia Leitte e bandas como Harmonia do Samba e É o tchan, surgiu em Salvador, na Bahia, mas tem forte apelo popular em todo o Brasil. 

Do carimbo de Pinduca a guitarrada de Mestre Solano o Pará tem uma grande diversidade musical. Agora, a Banda Axé e Cia quer retratar o Estado e sua cultura também no pagode e no axé, marcando a presença paraense em um dos gêneros de maior ascensão no mercado fonográfico.

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Gemilly que colocar o Pará na rota do sertanejo


A cantora paraense Gemilly foi busca expiração na cidade de Goiânia, capital de Goiás, para compor seu repertório em carreira solo no ritmo do sertanejo. O estilo musical já atravessou quase cem anos e no século 20 quando surgiu, era considerado o “primo pobre” entre os estilos musicais, hoje gênero sertanejo representa a maior força musical brasileira. “O público paraense tem abraçado nossas músicas e recebido muito bem nossos shows, é mais uma forma de levar nosso estado para mais longe”, destaca Gemilly.

Do carimbo de Pinduca a guitarrada de Mestre Solano o Pará tem uma grande diversidade musical. Agora, a cantora Gemilly quer retratar o Estado e sua cultura no sertanejo, marcando a presença feminina paraense em um dos gêneros de maior ascensão no mercado fonográfico. “Nossas músicas mostram o Pará e a liberdade feminina”, que destaca o apoio do seu produtor nessa nova fase “Helinho Silva é um amigo que logo abraçou a minha ideia para esse momento, ao lado da minha família tem sido um importante parceiro”.

Preparando o lançamento de seu primeiro DVD em carreira solo, a artista destaca as cantoras Paula Fernandes,  Marilia Mendonça e Maiara e Maraisa  como suas principais referências musicas. “São mulheres fortes e são referências de profissionalismo e de talento”. 

sexta-feira, 12 de julho de 2019

"Baenão foi minha casa em Belém!"


Ao longo dos 102 anos de existência do estádio Baenão, inúmeros jogadores que naquele gramado, ali pisaram, fizeram o seu nome com honra, glória e destaque vestindo a camisa do Clube do Remo e com isso ficaram marcados na memória de cada um torcedor azulino.
Entre tantos craques e ídolos, podemos citar um jogador que em um passado não tão muito distante, imortalizou o seu nome através de grandes partidas feitas e belos gols. Estamos falando de Giancarlo Dias Dantas, o Gian, ou como é conhecido até hoje: "Príncipe do Baenão".
O ex - camisa 10, que hoje reside em Castanhal, onde é coordenador da categorias de base do Castanhal Esporte Clube, relembra de grandes feitos realizados dentro do estádio Evandro Almeida e fala com muito carinho sobre o que representa para ele o Baenão. "Ali sempre foi minha casa,nos anos que joguei no Remo e trabalhei, fiquei mais tempo no Baenão, que na minha própria casa,amava estar com as pessoas que ali trabalhavam e com os jogadores da minha época, o Baenão com certeza foi a minha casa em Belém."
Gian, quando jogador, levava tão a sério o carinho que ele tinha pelo estádio Baenão, que chegou até a idealizar e organizar a reforma dos vestiários do Baenão. "Um dia me juntei com o Eliezer,aquilo que eu estava pensando,Ele disse que arrumava a pessoa,para fazer e fui atrás de fazer a camiseta,para vender e arrumar o Vestiário,acabou dando certo e conseguimos fazer tudo direitinho e prestando conta,a idéia foi nossa,teve a contribuição dos torcedores e uma parte minha". Conta o ex jogador.
No Clube do Remo, indicado na época pelo técnico Julio Cesar Leal, Gian Dantas foi Bicampeão paraense nos anos de 2003 - 2004, atuando ao todo em 91 jogos (entre os anos de 2003 - meados de 2005 e 2010), onde marcou 25 gols. Entre esses gols e jogos, o "príncipe" tem na sua memória uma partida que para ele, é muito especial, mesmo sem ter marcado gol. "Um jogo que fizemos 6 x 0, no Mogi-Mirim (3 gols de Rogério Belém, 1 Valdomiro, 1 Cristiano e outro contra) eu gostava muito de jogar no Baenão".
Por fim, Gian demonstra todo seu carinho e admiração para com a torcida azulina. "Remo é Amor,o torcedor do Remo tem amor pelo clube e todos aqueles que demonstram amor e deixe ele feliz,vão sempre fazer parte da história do Clube,através dos seus torcedores" Conclui.
Pela Seleção Brasileira, Gian ganhou o campeonato sul americano sub-17(1991) e a Copa do Mundo Sub-20 (1993), ganhou também a Copa São Paulo de futebol sub-20(1992), foi tetra campeão carioca pelo Vasco da Gama(1992, 1993, 1994 e 1998), pela equipe carioca também conquistou o Brasileirão(1997) e a Libertadores(1998). Isto sem contar com o bi-campeonato Paraense pelo Clube do Remo (2003 e 2004) e o título cearense pelo Ceará Sporting Club (2006).

Foto: arquivo pessoal.
Por: Magno Fernandes

terça-feira, 9 de julho de 2019

Empresa paraense lança serviço pioneiro de envio de produtos regionais para todo o Brasil


Nos últimos anos a discussão sobre o fortalecimento do turismo no estado e a valorização da nossa cultura e riquezas tem sido tema presente em muitos debates, o Pará e seus sabores ainda são pouco conhecidos de grande parte dos brasileiros e sair do estado também não deixa de ser uma tortura para aqueles que não conseguem viver sem um bom açaí, seu o cheiro inigualável do tucupi, da nossa farinha e de tantas frutas e iguarias que só quem é paraense ou conhece o nosso estado, teve oportunidade de descobrir.


Pensando nisso, a empresária Renata Barbosa deu o ponta pé inicial, criando um serviço de envio de produtos regionais em através de Isopores personalizados contendo produtos a escolha do cliente para entrega em domicílio ou até envio para qualquer aeroporto do Brasil.
A bióloga paraense, de 36 anos, junto com o marido, acabam com o sofrimento de paraenses espalhados em todos os cantos do país, e turistas que conheceram nossa terra e se encantaram com nossos sabores. A ideia de Renata teve tanto receptividade que o serviço tem crescido rapidamente, afinal as pessoas têm uma maior facilidade em matar saudade de tantos sabores regionais.



Renata conta que um dos diferenciais para o sucesso o serviço é que ela te uma lista de parceiros que fornecem os produtos com alta qualidade, que faz com que ela possa montar cada Isopor, conforme o desejo do cliente e com preço justo.
Paraense de verdade já passou por grandes testes de paciência antes de uma viagem ou mesmo pra enviar produtos de no nosso estado para parentes e amigos que moram longe. Seja pesquisando preços, se deslocando por vários quilômetros pra conseguir comprar o que quer e com a qualidade que deseja. E por isso mesmo sabe que o trabalho enorme que dá, fora os custos. Pensando em tudo isso, o Isopor Paraense faz todas essas etapas dando ao cliente um custo benefício percebido nitidamente.
E aí, gostou da novidade?! 

Serviço:
Para entrar em contato com o Isopor Paraense, é só mandar um Direct no Instagram @isoporparaense ou no WhatsApp  (91) 98237-5271

sábado, 6 de julho de 2019

Neste sábado tem mistura de Samba e ritmos paraenses com Teddy Marks e Banda SPD



Teddy Marks e a Banda SPD sobem ao palco do Bar Copa 70, às 12h, neste sábado, 06. O show intitulado como “Dominado”, faz parte das programações do local, que proporciona uma tarde de entretenimento e diversão aos visitantes.

O evento terá apresentações do cantor Teddy Marks, que apresentará um repertório diversificado como brega, Guitarrada e forró. A banda SPD realizará uma roda de samba e pagode, que promete agitar o público presente com clássicos da década de 90 de cantores nacionais como Jorge Aragão, Diogo Nogueira, Raça Negra, Grupo Molejo e outros.

Com 20 anos de carreira, Teddy Marques começou sua trajetória na música aos 14 anos, participando de uma banda da igreja Matriz, em Barcarena. Durante sua carreira, abriu shows de várias bandas como: Harmonia do Samba, Terra Samba Forrozão, Tropikalia, e fez parte de várias bandas como pôr do sol, e a banda do “Mestre Vieira”.

O músico tem sete músicas autorais e atualmente realiza shows na capital paraense e no interior do Pará, além de receber convites para cantar em outros Estados, levando sua alegria e seu ritmo dançante para o público presente.

Serviço:

Data: 06/07

Horário: 12h

Local: Bar e Restaurante Copa 70 - Av. João Paulo II, 1960 - Marco.


segunda-feira, 1 de julho de 2019

‘Do Mil ao Milhao’ está chegando a Belém



Garanta sua vaga na palestra do “Primo Rico”, investimento a partir de R$ 60 - não perca essa oportunidade, vagas limitadas!
.
Onde adquirir:
Lojas e show: Parque shopping e boulevard 
Lupa lupa: Pátio Belém
Ótica Diniz: shopping castanheira e shopping metrópole
Posto top: pariquis com Alcindo cacela
Banca do Oliveira: Brás de Aguiar

O Crime da Mala,que ainda abala Belém


DIENE ELLEN, morreu no dia 01 de Novembro em 1973 em Belém do Pará, vítima pelo seu próprio pai, bastante alcoolizado cometeu este ato contra sua filhinha de apenas 2 aninhos, que a violentou, e matou à facadas, esquartejando o corpinho e depositando em uma mala depois de 2 dias do ato cruel, e foi embarcado na rodoviária em um ônibus no interior do estado e descoberto pelo funcionário da empresa pelo forte odor.
O CRIME BRUTAL, foi conhecido como o CRIME DA MALA, e o assassino foi identificado naquela época, foi condenado e cumpriu pena.
E a respeito do paradeiro do pai, onde colheram depoimento de funcionário mais antigo do cemitério São Jorge, disseram que o pai assassino cumpriu pena no presídio São José hoje desativado, devido a repercussão do crime naquela época, ele não queria sair temendo ser morto lá fora, e preferiu ficar no presídio morando, ele tornou cozinheiro no presídio, e a maioria das pessoas dizem que o pai ficou com transtornos mentais, e acabou se matando, mas todos são unânimes em dizer que ele esteja vivo, mesmo assim depois de sua saída do presídio, a irmã de DIENE ELLEN, não quis que seu pai morasse na rua e preferiu que o assassino que é seu pai morasse com ela.
Quanto a mãe da menina, ela ia no cemitério duas vezes no ano, mas que já estava bem idosa e bastante debilitada, e no ano de 2004 ela veio a falecer.
Muitos acendem velas perto da pedra de mármore no seu túmulo, doam brinquedos e fazem promessas, onde são cumpridas como muitos dizem.
DIENE ELLEN, nasceu no dia 27 de Outubro de 1971, morreu no dia 01 de Novembro de 1973 antes do dia de finados.
Seu túmulo fica na Alameda São Geraldo no cemitério São Jorge no bairro da Marambaia.
E hoje compareci no cemitério de São Jorge, e bati uma foto como estaria hoje o seu sepulcro.

E se DIENE ELLEN tivesse viva, ela iria completar 48 anos.
E ela vai fazer 46 anos de morta